10 de março de 2011

HOJE EU QUIS.



Esses tem sido dias dificeis.

eu choro, eu sinto falta dos outros, eu me recordo de tempos bons, eu me sinto vazia.

Hoje amanheceu de novo, hoje eu faltei de novo na faculdade, e é provável que falte no trabalho, hoje o mundo já me julgou, já me condenou, hoje eu já chorei, já li o que escrevi, já escrevi sobre o que li.
Já estudei Braudel, a o Movimento dos Annales, já lá o DOSSE, e já aprendi mais sobre BLOCH.
Hoje eu já tive vontade de me jogar da ponte, na frente do carro, de ficar sozinha e não ver ninguém.

Eu moro numa casa, onde todos seus moradores se encontram hoje, onde todos seus moradores, apesar de terem o mesmo sangue que o meu , me parecem estranhos.

Eu não sei quem são, ou talvez não saiba quem eu sou.

Hoje eu já tive a certeza, de que preciso de ajuda psiquiátrica.
Hoje eu já quis que o mundo explodisse, que todos sumissem.
Tive vontade de extrapolar todos os limites, estabelecer novas regras limites, tive vontade de falar de amor, e de não guardar rancor.

Mas a dor ainda tá aqui , e o amor também.

QUEM VAI VIR RECEBER?
QUEM VAI ME RECEBER?
QUEM VAI ME ESPERAR NO AEROPORTO?
QUEM VAI ME NEGAR UM BEIJO, ULTIMA CENA DE CASABLANCA?

3 comentários:

Ulisses Borges disse...

"E vendo a ti, vi-me."

Tataá Albuquerque disse...

Ei, gostei do seu blog (das cores nas suas dores), pena não conseguir comentar.

Ulisses Borges disse...

Ansiedade apenas, sabe como é(sei que sabes). Pra deixar de tê-la, assim, tão fortemente, às vezes é melhor dois passarinhos voando do que um nas mãos. Mas rendi-me. E lá estou, pronto para o que der e vier. Por ora, posso apenas escrever que contigo me identifiquei. E agora, sem formalidades, do caralho!